XII ENEM - ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

São Paulo, 13 a 16 de julho de 2016. Campus Anália Franco.

XII ENEM / 2016 - Eixos Temáticos

Eixo 1. Avaliação em Educação Matemática

Coordenação:

Regina Luzia Corio de Buriasco (UEL)

João Ricardo Viola dos Santos (UFMS)

Ementa:

Investigações, estudos e experiências a respeito de diferentes procedimentos e instrumentos de avaliação que ocorrem em instituições escolares, em especial, os que envolvem a avaliação da aprendizagem em matemática nos diferentes níveis e modalidades de ensino e a avaliação em larga escala (Prova Brasil, SAEB, ENEM, PISA, etc.).

Eixo 2. Currículos em Educação Matemática

Coordenação:

Célia Maria Carolino Pires (UFMS)

Cláudia Lisete Oliveira Groenwald (ULBRA)

Ementa:

Incluem-se neste eixo investigações teóricas e práticas que envolvam o tema do Currículo, inserido no campo da Educação Matemática. Abrange discussões sobre diferentes perspectivas teóricas que embasam as pesquisas sobre o tema, as análises sobre currículos em seus diferentes momentos de realização (prescritos, apresentados, moldados pelo professor, realizados em sala de aula ou avaliados), relativos aos diferentes níveis da escolaridade básica e superior e a diferentes modalidades de ensino (regular, EJA, técnico etc). Contempla ainda estudos sobre elaboração e uso de materiais curriculares (livros didáticos, apostilas, materiais on-line).

Eixo 3. Recursos Didáticos e Educação Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Coordenação:

Regina Célia Grando (UFSCar)

Edda Curi (UNICSUL)

Ementa:

Estudos e experiências que abordem o uso de diferentes recursos didáticos na organização e desenvolvimento do trabalho pedagógico, principalmente materiais impressos como livros didáticos e materiais didáticos institucionais, além de materiais manipuláveis, jogos e demais recursos utilizados no processo de ensino e de aprendizagem da matemática por professores e estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental.

Eixo 4. Recursos Didáticos e Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental, no Ensino Médio e no Ensino Superior

Coordenação:

Jonei Cerqueira Barbosa (UFBA)

Regina Célia Grando (UFSCar)

Ementa:

Estudos e experiências que abordem o uso de diferentes recursos didáticos na organização e no desenvolvimento do trabalho pedagógico, tais como os jogos, recursos lúdicos, os materiais impressos (por exemplo, o livro didático), os materiais manipuláveis, os laboratórios e os demais recursos utilizados no processo de ensino e de aprendizagem da matemática por estudantes dos anos finais do ensino fundamental, do ensino médio e do ensino superior.

Eixo 5. Inclusão e Educação Matemática

Coordenação:

Lulu Healy (UNIAN)

Solange Hassan Ahmad Ali Fernandes (UNIAN)

Ementa:

Vivemos em um mundo no qual "ser diferente" tende a ser considerado uma desvantagem que pode impedir a aprendizagem, sendo um obstáculo que precisa ser superado. Na educação, tal visão resulta em preconceito institucional que marginaliza alguns e idealiza outros. Por outro lado, as políticas educacionais, nos âmbitos nacionais e internacionais, têm promulgado leis que buscam assegurar uma Educação Inclusiva. De acordo com a UNESCO (2009), Educação Inclusiva "é um processo contínuo que tem como objetivo oferecer educação de qualidade para todos, respeitando a diversidade e as diferentes necessidades e habilidades, características e expectativas de aprendizagem de estudantes e comunidades, eliminando todas as formas de discriminação" (p.18).

Neste eixo desejamos explorar questões relacionadas ao conceito de inclusão e suas vertentes, entre as quais destacamos:

- Estudos associados os processos de aprendizagem matemática daqueles historicamente marginalizados no contexto escolar;

- Reflexões sobre as demandas associadas às práticas docentes em cenários inclusivos;

- Implicações para o currículo e para a avaliação;

- O desenvolvimento de quadros teóricos voltados à construção e desconstrução de conceitos como, deficiência, diferença, igualdade e justiça social.

- Discussões sobre políticas públicas.

Eixo 6. Educação de Jovens e Adultos e Educação Matemática

Coordenação:

Maria da Conceição Ferreira Reis Fonseca (UFMG)

Emerson da Silva Ribeiro (UNIR)

Ementa:

Estudos e experiências pedagógicas em Educação Matemática no âmbito da Educação de Jovens e Adultos (EJA) em contextos formais e não-formais; práticas matemáticas de pessoas jovens e adultas excluídas do sistema educacional e daquelas que retornam à escola ou a acessam pela primeira vez.

Eixo 7. Tecnologias e Educação a distância no contexto da Educação Matemática

Coordenação:

Maurício Rosa (UFRGS)

Suzi Samá Pinto (FURG)

Ementa:

Esse eixo tem como foco estudos e experiências que abordem o uso de recursos tecnológicos e da Educação a Distância na formação matemática dos estudantes, nos diferentes níveis de ensino e modalidades educacionais. O eixo se destina, então, a trabalhos que analisem o uso de software, applets, tecnologias móveis, TV, e outros recursos tecnológicos em ambientes educacionais.

Eixo 8. Resolução de Problemas em Educação Matemática

Coordenação:

Carmen Teresa Kaiber (ULBRA)

Norma Suely Gomes Allevato (UNICSUL)

Ementa:

Estudos e experiências que abordem o uso da resolução de problemascomometodologias para a organização do trabalhopedagógico com a matemática.

Eixo 9. Modelagem em Educação Matemática

Coordenação:

Jussara de Loiola Araújo (UFMG)

Lourdes Maria Werle Almeida (UEL)

Ementa:

Modelagem matemática contemplando enfoques do campo da Educação Matemática. Discussões de relatos de experiências desenvolvidas nos diferentes níveis de escolaridade e de pesquisas realizadas com foco em aspectos dessa temática.

Eixo 10. Educação Matemática, Cultura e Diferença

Coordenação:

Gelsa Knijnik (UNISINOS)

Sônia Maria Clareto (UFJF)

Ementa:

Este eixo tem como foco a educação matemática que se realiza em espaços escolares e não escolares, examinada em suas articulações com questões relativas à cultura e à diferença. Problematiza educação matemática, cultura e diferença em seus mais amplos aspectos: filosóficos, sociológicos, antropológicos e histórico, entre outros, cabendo, pois, estudos ligados à etnomatemática e à educação crítica, além daqueles que se alinham à problematização da linguagem e da diferença na contemporaneidade. Compreende aprender e ensinar matemática, produzir e compartilhar matemática, na escola ou em outros espaços, implicados em múltiplos processos de subjetivação.

Eixo 11. Dimensões Filosóficas e Sociológicas na Educação Matemática

Coordenação:

Antonio Miguel (UNICAMP)

Verilda Speridião Kluth (UNIFESP)

Ementa:

O propósito é congregar pesquisadores acadêmicos, professores da educação básica e superior, bem como estudantes de graduação e pós-graduação interessados na promoção da discussão relativa:

- Às dimensões filosóficas, sociológicas, ético-políticas, culturais e valorativas da matemática e da educação matemática, vistas quer como domínios de conhecimento, quer como campos de formação e de investigação acadêmica e, quer ainda, como conjunto de práticas culturais transdisciplinares, não disciplinares e não escolares realizadas por comunidades de prática, em diferentes campos e contextos de atividade humana do mundo contemporâneo, neles incluídos os campos educativos escolar e universitário;

- Às repercussões das viradas linguística, antropológico-cultural e praxiológica (conhecimento como ação) no campo da filosofia sobre as práticas de investigação acadêmica em matemática em educação matemática, bem como sobre as políticas públicas relativas à educação matemática escolar e à formação de professores de matemática;

- Aos usos sociais, políticos e ideológicos da matemática e da educação matemática, bem como às relações de força e poder que tais usos envolvem, em diferentes campos e contextos de atividade humana do mundo contemporâneo;

- Às relações entre matemática, educação matemática, biopolítica e governamentalidade no mundo contemporâneo;

- Às relações entre matemática, educação matemática, discriminações e desigualdade social no mundo contemporâneo;

- Às relações entre matemática, educação matemática, democracia e movimentos sociais;

- Às relações entre matemática, educação matemática escolar, violência e adoecimento.

Eixo 12. Cognição e Educação Matemática

Coordenação:

Maria Lucia Faria Moro (UFPR)

Sandra Maria Pinto Magina (UESC)

Ementa:

O eixo focaliza estudos sobre os processos cognitivos do aprendiz, considerando as possíveis relações presentes na elaboração de conceitos matemáticos em situações escolares e extra-escolares. Poderão ser aceitos estudos que, apoiados em diferentes linhas de fundamentação teórica, tratam quantitativa e/ou qualitativamente tanto os processos e/ou esquemas cognitivos gerais (organizadores estruturais), como os específicos ao conceito matemático focalizado. Também poderão ser recebidos estudos que priorizem as relações da cognição com a elaboração conceitual matemática em longo prazo (perspectiva do desenvolvimento cognitivo), como em curto prazo (perspectiva da aprendizagem).

Eixo 13. Concepções, Crenças e Atitudes em Educação Matemática

Coordenação:

Márcia Regina Ferreira de Brito (FE-UNICAMP)

Miriam Cardoso Utsumi (ICM-USP)

Ementa:

Pesquisas apoiadas em diferentes fundamentações teóricas que analisam quantitativa ou qualitativamente concepções, crenças, valores, representações sociais e atitudes em relação à matemática e à estatística, bem como suas relações com as habilidades matemáticas, a aprendizagem, o desempenho, a representação mental, o automatismo e a memória durante a aquisição e o desenvolvimento do pensamento matemático.

Eixo 14. Políticas públicas na educação básica

Coordenação:

Andréia Maria Pereira de Oliveira (UFBA)

Dario Fiorentini (UNICAMP)

Vinício de Macedo Santos (USP)

Ementa:

O Eixo "Políticas públicas na educação básica" tem por objetivo trazer para o centro do debate da comunidade brasileira de educadores matemáticos questões, vozes e sentidos que perpassam as políticas educacionais. Além disso, pretende discutir como o financiamento e desenvolvimento dessas políticas vêm conformando o projeto de educação pública que o país tem condições de oferecer e sustentar na atualidade, no contexto: da promulgação do Plano Nacional da Educação (PNE) (2014-2024), do lançamento da Base Nacional Curricular Comum (BNCC) e das diretrizes curriculares para a formação docente. Na esfera da Educação Matemática, as questões dizem respeito ao modo como os educadores matemáticos se envolvem e como suas ações de formação e de pesquisa se relacionam com as políticas públicas para a educação básica, compreendendo educação (matemática) inclusiva, formação de professores, produção e desenvolvimento do currículo escolar para o ensino de Matemática, avaliação em larga escala, bem como as parcerias entre escola básica e Universidade, envolvendo questões relativas ao ensino e à aprendizagem de matemática. Para cumprir o objetivo do evento, serão aceitos trabalhos com foco nos estudos referentes a políticas públicas direcionadas à educação básica e implementadas por programas como: Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID); Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR); Programa Observatório da Educação (OBEDUC); Programa de Consolidação das Licenciaturas (Prodocência); Programas de Mestrado Profissional em Rede (ProfMat, ProfEnsino); Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino (PNEM).

Eixo 15. Educação Matemática na educação infantil

Coordenação:

Antonio Carlos de Souza (UNESP)

Clélia Maria Ignatius Nogueira (UEM/CESUMAR)

Ementa:

O eixo Educação Matemática na Educação Infantil privilegia propostas que tenham referência direta com o cotidiano das salas de aula da Educação Infantil, bem como pesquisas desenvolvidas nesta etapa da Educação Básica, tanto em espaços formais quanto em espaços não formais. Os temas dos trabalhos deste eixo relacionam-se aos processos de ensino, de aprendizagem, aos aspectos curriculares e ao uso de recursos didáticos em Educação Matemática na Infância, além daqueles que buscam analisar os aspectos cognitivos, afetivos e sociais da cultura infantil.

Eixo 16. Comunicação e argumentação nas aulas de Matemática

Coordenação:

Regina Maria Pavanello (UEM)

Verilda Speridião Kluth (UNIFESP)

Ementa:

O eixo visa acolher e discutir pesquisas - concluídas ou em andamento, mas com resultados parciais - que abordem a interação comunicativa nas aulas de Matemática tendo em vista a elaboração de conceitos matemáticos pelos alunos.

Eixo 17. Educação Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Coordenação:

Gilda Guimarães (UFPE)

Rute Borba (UFPE)

Ementa:

Esse eixo se destina a discutir trabalhos que têm como foco os processos de ensino e de aprendizagem da matemática, dentro e fora da sala de aula. Visa analisar aspectos cognitivos, afetivos e sociais, referentes à educação matemática de crianças do 1 ao 5 ano do Ensino Fundamental.

Eixo 18. Formação de Professores de Matemática dos anos finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio

Coordenação:

Ana Cristina Ferreira (UFOP)

Armando Traldi Júnior (IFSP)

Maria Tereza Carneiro Soares (UFPR)

Ementa:

O eixo "Formação de professores que ensinam Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental e no Ensino Médio" visa acolher e discutir pesquisas e relatos de experiência acerca da formação inicial de professores de Matemática da Educação Básica. Nesse sentido, contempla cursos de Licenciatura em Matemática, nas modalidades presencial e a distância. As temáticas relacionadas a este eixo contemplam, dentre outros aspectos, o currículo da Licenciatura, prática de ensino e prática como componente curricular, estágio supervisionado, formação especifica e formação didático pedagógica, práticas formativas e práticas profissionais. Além disso, também pertencem ao eixo trabalhos relacionados à produção de materiais didáticos para a formação inicial de professores de Matemática, bem como experiências de formação vinculadas ao PIBID, OBEDUC e projetos de extensão.

Eixo 19. Formação de professores que ensinam matemática nos anos iniciais do ensino fundamental

Coordenação:

Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes (UFSM)

Cármen Lúcia Brancaglion Passos (UFSCar)

Ementa:

Este eixo visa acolher e discutir pesquisas e relatos de experiências acerca da formação inicial de professores que ensinam matemática nos anos iniciais do ensino fundamental e educação infantil e contempla cursos de Licenciatura em Matemática e em Pedagogia, nas modalidades presencial e à distância e programas de formação continuada. As temáticas envolvem, entre outros aspectos, questões curriculares, estágio supervisionado, PIBID, PNAIC, vinculação entre formação específica e formação didático pedagógica e entre práticas formativas e práticas profissionais.

Eixo 20. A parceria universidade e escola: o professor, o futuro professor e o formador de professores de matemática

Coordenação:

Adair Mendes Nacarato(USF)

Armando Traldi Junior (IFSP)

Márcia Cristina de Costa Trindade Cyrino (UEL)

Ementa:

A parceria universidade escola: o professor, o futuro professor e o formador de professores de matemática". Este eixo assenta-se nos seguintes pressupostos: 1) a formação teórica e prática do professor são processos indissociáveis; 2) os espaços coletivos de trabalho se constituem em práticas formativas e de pesquisa; e 3) as parcerias estabelecidas entre universidade e escola vêm se constituindo em ricos espaços de aprendizagem a todos os envolvidos: futuros professores, professores em exercício e formadores de professores. Serão aceitos neste eixo trabalhos que tenham como foco de estudo a articulação entre escola e universidade - seja nos espaços da escola, seja nos espaços da universidade - envolvendo diferentes atores e que articulam propostas de trabalho coletivo e/ou colaborativo, decorrentes ou não de programas ou políticas públicas.

Eixo 21. Formação de professores de Matemática e Tecnologia

Coordenação:

Maurício Rosa (UFRGS)

Nielce Meneguelo Lobo da Costa (UNIAN)

Ementa:

Esse eixo tem como foco o uso da tecnologia em processos de formação inicial e continuada de/para e com professores que ensinam matemática, realizados nas diversas modalidades educacionais (presencial, semipresencial, a distância, mobile...) e embasados em diferentes linhas teóricas e metodológicas. O eixo se destina, então, a processos formativos realizados por meio de plataformas educacionais, Ambientes Virtuais, com a utilização de software, applets, tecnologias móveis, vídeos e qualquer outro aparato tecnológico que apresente um diferencial na formação.

Eixo 22. Histórias de formação de professores de matemática

Coordenação:

Antonio Vicente MarafiotiGarnica (UNESP)

Luzia Aparecida de Souza (UFMS)

Maria Laura Magalhães Gomes (UFMG)

Ementa:

Neste eixo inscrevem-se os estudos historiográficos que, de modo específico, tratam da formação de professores que ensinam ou ensinaram Matemática nos mais diversos níveis da escolaridade formal. Considera-se também como pertencentes a este eixo os estudos sobre a história da formação de agentes que ensinam/ensinaram matemática em espaços não-formais. Observação: a caracterização de eixos no campo da História da Educação Matemática, embora gere conflitos devido à óbvia interconexão entre temas, é necessária operacionalmente e, portanto, os autores devem inscrever seus trabalhos nos eixos que melhor caracterizem suas intenções.

Eixo 23. História da Educação Matemática e ensino

Coordenação:

Claudia Regina Flores (UFSC)

Wagner Rodrigues Valente (UNIFESP)

Maria Célia Leme da Silva (UNIFESP)

Ementa:

Neste eixo inscrevem-se os estudos que tratam, do ponto de vista historiográfico, (a) do ensino de matemática; seja na escolarização formal/regular nos seus mais distintos graus, seja em espaços não-formais ou, ainda, em modalidades educativas específicas (ensino técnico, ensino de jovens e adultos, educação indígena, educação de comunidades campesinas etc); e (b) de artefatos didáticos (por exemplo, legislações específicas, diretrizes curriculares, livros didáticos, manuais, cadernos, materiais de apoio didático etc) relacionados e/ou voltados ao ensino de matemática. Observação: a caracterização de eixos no campo da História da Educação Matemática, embora gere conflitos devido à óbvia interconexão entre temas, é necessária operacionalmente e, portanto, os autores devem inscrever seus trabalhos nos eixos que melhor caracterizem suas intenções.

Eixo 24. História da Educação Matemática: grupos culturais específicos, a produção científico-acadêmica em Educação Matemática e seus agentes

Coordenação:

Cristiane Coppe de Oliveira (UFU)

Ementa:

Inscrevem-se neste eixo os trabalhos que abordam historiograficamente (a) grupos culturais específicos ou comunidades de prática e seus modos de produzir significado para a Matemática em situações de ensino e aprendizagem e (b) histórias da produção científico-acadêmica em educação matemática ou estudos sobre a Educação Matemática concebida como campo de pesquisa. Importante notar que os estudos sobre grupos que se constituem em estreita vinculação com a escolaridade formal estão incluídos neste eixo (por exemplo, grupos de alunos e professores, grupos de pais, de administradores/gerenciadores escolares, centros de pós-graduação, grupos de pesquisa etc) bem como nele se inscrevem estudos - biográficos ou temáticos - sobre agentes específicos que atuaram/atuam no ensino de Matemática. Observação: a caracterização de eixos no campo da História da Educação Matemática, embora gere conflitos devido à óbvia interconexão entre temas, é necessária operacionalmente e, portanto, os autores devem inscrever seus trabalhos nos eixos que melhor caracterizem suas intenções.

Eixo 25. História da Matemática e suas relações com a Educação Matemática

Coordenação:

Iran Abreu Mendes (UFRN)

Miguel Chaquiam (UEPA)

Ementa:

O eixo organizador "História da Matemática e suas relações como a Educação Matemática", para o XII ENEM, pretende congregar trabalhos que tenham como foco central as diversas relações entre a Matemática e a Educação Matemática, a partir de perspectivas históricas. O referido eixo socializará resultados de pesquisas, experiências e relatos de práticas pedagógicas, centrados nas relações entre história da Matemática e a Educação Matemática: como tema de investigação, como recurso e como método de estudos e trabalhos desenvolvidos em programas de pós-graduação Stritu Sensu e Lato Sensu, nos cursos de licenciatura, na formação continuada de professores e nas salas de aula da Educação Básica. Nesse sentido, serão contemplados trabalhos que levem em conta a problematização entre história da Educação Matemática e História da Matemática, sobretudo, os estudos relativos ao papel da história da Matemática no ensino e na aprendizagem da Matemática.