Feiras Nacionais

As Feiras de Matemática tiveram sua origem em 1985, na cidade de Blumenau, Santa Catarina (SC), a partir da inquietação dos professores Vilmar José Zermiani e Valdir Floriani, ambos da Universidade Regional de Blumenau (FURB), como um possível caminho de integração entre os níveis de ensino (FORIANI, 1996). Foram vistas como um espaço de aproximação entre escolas, comunidade e universidade no que tange à melhoria e socialização do processo de ensino e aprendizagem da Matemática, em todos os níveis e redes de ensino.

A participação e a colaboração dos estudantes, dos professores orientadores, dos gestores escolares e da coordenação das Feiras garantem a continuidade das Feiras de Matemática e primam por levar a elas o “chão da escola” como minimização do caráter meritocrático, como troca de experiências e como motivadoras da aprendizagem matemática e de suas relações com o mundo e com outras áreas do conhecimento.

Destacamos que, no período de 1985 a 2015, foram realizadas 433 Feiras nos âmbitos municipal, regional, estadual e nacional, sendo 248 Feiras Regionais, 42 estaduais e 4 nacionais (MULLER et al, 2016).

No que tange a sua organização histórica, demarcamos alguns momentos importantes:

Ano de 1985 – I Feira Catarinense de Matemática, sob a coordenação de um grupo de professores da FURB. A partir de 1985, todos os anos ocorreram Feiras de Matemática no Estado de Santa Catarina, se expandindo em rede para as suas regiões, municípios e escolas.

Ano de 1993 – Primeiro seminário sobre Feiras de Matemática como instância deliberativa. A partir daí, ocorreram mais 4 seminários, sendo que o último aconteceu em 2013. Os seminários garantem a continuidade das Feiras, bem como as colocam em sintonia com as discussões sobre educação e educação matemática no país no que se refere à avaliação processual e descritiva, aos processos de integração de áreas do conhecimento, ao processo reflexivo do conhecimento matemático, entre outros.

Ano de 2001 – Criação da Comissão Permanente das Feiras de Matemática. A Comissão é uma equipe que, de forma colaborativa, discute a gestão das Feiras e planeja os seminários e cursos de aperfeiçoamento.

Ano de 2006 – Extensão das Feiras de Matemática para o Estado da Bahia. Essa expansão tem passado por processo de formação de professores e gestores por meio de cursos de aperfeiçoamento e de seminários sobre os princípios, a avaliação e a gestão das Feiras de Matemática.

Ano de 2010 – I Feira Nacional de Matemática (I FNMat), na cidade de Brusque, SC. A II FNMat ocorreu em 2013, em Blumenau, SC; a III FNMat, em 2014, na cidade de Salvador, Ba; e a IV FNMat, em Jaraguá do Sul, SC. A V FNMat acontecerá em Salvador, BA, em setembro de 2016.

Ano de 2015 – Assinatura do Acordo de Cooperação Técnico-Científico n° 135/2015 entre Instituto Federal Catarinense (IFC), FURB, Universidade Estadual da Bahia (UNEB) e Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM). Houve dois acordos assinados anteriormente entre a FURB, a UNEB e o IFC.


FEIRAS NACIONAIS DE MATEMÁTICA

 

A realização da I Feira Nacional de Matemática foi uma das reivindicações dos alunos e professores participantes com apresentação de trabalhos nas Feiras Estaduais de Matemática e dos participantes das Assembleias Gerais de Feiras Catarinenses e de Assembleias das Feiras Baianas. Também foi objeto de discussão dos 05 Seminários de Avaliação sobre Feiras de Matemática que ocorreram nos anos de 1993, 2001, 2006, 2009 e 2013.

Com os mesmos objetivos das Feiras Catarinenses e das Feiras Baianas de Matemática, foram organizadas 04 Feiras Nacionais de Matemática (FNMat) até 2015. Esses objetivos são: Promover o intercâmbio de experiências exitosas no ensino da Matemática dos diversos estados participantes; Diminuir a aversão à Matemática; Proporcionar maior integração entre a Matemática e as demais disciplinas; e Inovar metodologia para o ensino de MatemáticaComo resultados, as duas últimas feiras beneficiaram professores da área de Matemática e engajaram estudantes de escolas públicas e privadas da Educação Básica e do Ensino Superior.


Em todas as Feiras, há apresentação e socialização de projetos. Em sua maioria, os projetos são feitos e executados em sala de aula, fazendo parte de uma das modalidades da Feira, a saber: Matemática Aplicada e/ou Inter-relação com outras disciplinas: que se caracteriza pela aplicabilidade do modelo matemático e/ou nível de inter-relação proposto; Matemática Pura: são trabalhos sobre conceitos, operações e propriedades da Matemática, com ênfase em conteúdo matemático (ZERMIANI, 2004); Material e/ou Jogos Didáticos: se caracteriza pela aplicabilidade dos Materiais Instrucionais e/ou Jogos Didáticos na aprendizagem matemática.


I Feira Nacional de Matemática


A I Feira Nacional de Matemática foi realizada nos dias 30 de junho, 1° e 02 de julho de 2010, nas dependências do Campus I da FURB, na cidade de Blumenau. Nessa Feira, foram expostos 59 trabalhos que envolveram 55 professores orientadores e 160 estudantes da Educação Básica e do Ensino Superior, oriundos de 32 municípios de 04 estados brasileiros: Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (Quadro 01).


Quadro 01: Número de trabalhos apresentados na I Feira Nacional de Matemática por Estado da Federação

ESTADO

N° DE TRABALHOS

01

Bahia

10

02

Pernambuco

01

03

Rio Grande do Sul

01

04

Santa Catarina

47

TOTAL

 

59

Fonte: Anais da I Feira Nacional de Matemática/2010.


A avaliação dos trabalhos apresentados na I Feira Nacional de Matemática seguiu as deliberações do IV Seminário de Avaliação das Feiras de Matemática, ocorrido em 2009, ou seja, foi descritiva e coletiva. Foi realizada por 80 professores que, designados pela Comissão Central Organizadora (CCO), classificaram os trabalhos em “Destaque” ou “Menção Honrosa”, fundamentados nos seguintes critérios: conteúdo matemático, qualidade científica e relevância científico-social.  Ressaltamos que a avaliação dos trabalhos foi realizada concomitantemente à visitação à Feira por um público superior a 3.000 pessoas.

II Feira Nacional de Matemática
 

A II FNMat foi realizada nos dias 17, 18 e 19 de julho de 2013, nas dependências do Colégio Cultura, na cidade de Brusque, SC. Conforme Zermiani & Schuhmacher (2013, p.15), nessa segunda edição nacional, foi exposto um total de 65 trabalhos, tendo 60 professores orientadores e 130 estudantes da Educação Básica ao Ensino Superior, oriundos de 29 municípios e de 07 estados brasileiros: Acre, Amapá, Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro e Santa Catarina (Quadro 02).

 

Quadro 02: Número de trabalhos apresentados na II Feira Nacional de Matemática por Estado da Federação

ESTADO

N° DE TRABALHOS

01

Acre

02

02

Amapá

02

03

Bahia

10

04

Minas Gerais

04

05

Pernambuco

01

06

Rio de Janeiro

01

07

Santa Catarina

45

TOTAL

 

65


Fonte: Anais da II Feira Nacional de Matemática/2013, p.18-19

A realização dessa edição da FNMat ocorreu após o V Seminário de Avaliação e Gestão das Feiras de Matemática. 
Conforme consta nos anais da II FNMat, a avaliação dos trabalhos foi realizada por 75 professores que, designados pela CCO, os classificaram em “Destaque” ou “Menção Honrosa”, fundamentados nos mesmos critérios da I Feira Nacional de Matemática.

III Feira Nacional de Matemática

A III Feira Nacional de Matemática foi realizada entre os dias 24 e 26 de setembro de 2014, no Museu de Ciência e Tecnologia (UNEB), em Salvador. Nessa terceira edição nacional, foi exposto um total de 156 trabalhos, apresentados por 156 professores e 312 expositores oriundos de 13 estados, distribuídos nas diversas categorias: Educação Infantil, Ensino Fundamental Anos Iniciais e Anos Finais, Ensino Médio, Professor, Educação Especial e Ensino Superior (Quadro 03). Visitaram esse evento cerca de 2000 pessoas, entre professores, alunos e pessoas da comunidade.

Quadro 03: Número de trabalhos apresentados na III Feira Nacional de Matemática por Estado da Federação

ESTADO

N° DE TRABALHOS

01

Acre

05

02

Amapá

09

03

Amazonas

02

04

Bahia

36

05

Ceará

26

06

Minas Gerais

10

07

Pará

02

08

Paraíba

08

09

Pernambuco

01

10

Rio de Janeiro

08

11

Rio Grande do Sul

02

12

Santa Catarina

41

13

Sergipe

06

TOTAL

 

156

Fonte: Boletim SBEM, n° 41, out. 2014, p. 4. <http://www.sbembrasil.org.br/files/Boletim41.pdf>


O maior número de inscritos nessa edição foi do Estado de Santa Catarina devido ao seu histórico de 32 anos de discussão coletiva e realização de Feiras de Matemática. A Bahia, por já estar com um histórico de 10 anos de realização de Feiras vem em segundo lugar, com 35 trabalhos, seguida do Ceará, que apresentou 26 trabalhos.
Entre as instituições presentes na III FNMat, encontra-se a SBEM, cuja participação foi de extrema importância, pois representantes das Regionais da SBEM participaram do processo de orientação para avaliação em Feira de Matemática, bem como tiveram conhecimento de toda a logística que envolve a organização de um evento dessa natureza. Além disso, a

Educação Matemática se sente co-responsável (sic) pela aprendizagem significativa voltada para a formação do sujeito integral, tendo como um de seus maiores objetivos valorizar sempre o espírito de investigação, ou seja, despertar no aluno o hábito permanente de fazer uso de seu raciocínio e de cultivar o gosto pela resolução de problemas. (OLIVEIRA & DALLMANN, 2004, p. 85-86)

 Esse evento contou com a atuação da Comissão Permanente das Feiras de Matemática e seguiu os princípios que regem as Feiras. O processo de inscrição foi efetivado por meio de parceria com a FURB. Os trabalhos inscritos estavam distribuídos nas diversas categorias oferecidas: Educação Infantil, Ensino Fundamental Séries Iniciais e Séries Finais, Ensino Médio, Educação Especial e Ensino Superior, com o maior número de inscritos de Santa Catarina.

O processo de seleção começou, para os estados que já realizavam feiras estaduais, de acordo com as deliberações do V Seminário Nacional de Avaliação e Gestão em Feiras de Matemática. Porém, para os estados que participaram pela primeira vez para conhecer o movimento das Feiras de Matemática, esse processo foi por inscrição de professores que se interessaram em desenvolver trabalhos com seus estudantes.

Por serem as Feiras uma representação do “chão da escola” e um espaço de formação do professor, os trabalhos inscritos passaram por uma avaliação do resumo expandido e da apresentação in loco, realizada por um grupo de avaliadores formado por professores orientadores e educadores matemáticos dos diversos estados envolvidos, coordenados pelo Comitê Científico, pela Comissão Permanente das Feiras de Matemática e pelo IFC. Já a avaliação dos trabalhos foi coordenada pela FURB e pelo IFC, que assumiram também a responsabilidade pelo processo de formação dos professores para a avaliação, que envolveu os orientadores de trabalhos (SANTOS, 2014).

IV Feira Nacional de Matemática

A IV Feira Nacional de Matemática foi realizada em julho de 2015, nos dias 15, 16 e 17, na cidade de Jaraguá do Sul, SC. De acordo com Muller et al (2016), nessa edição, estiveram presentes diversas instituições, entre elas a Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), e foram apresentados 121 trabalhos, com 115 professores orientadores envolvidos e 242 estudantes expositores, representantes de 13 estados brasileiros: Acre, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins (Quadro 04).

Quadro 04: Número de trabalhos apresentados na IV Feira Nacional de Matemática por Estado da Federação

Estados

Número de Trabalhos

01

Acre

16

02

Amapá

10

03

Bahia

14

04

Espírito Santo

02

05

Goiás

01

06

Mato Grosso do Sul

02

07

Minas Gerais

08

08

Paraíba

01

09

Rio de Janeiro

01

10

Rio Grande do Sul

08

11

Ceará

01

12

Santa Catarina

56

13

Tocantins

01

 

Total:

121

Fonte: Boletim SBEM, n.56, ano 2016, p. – 36-37


A IV FNMat contou com 227 avaliadores, que realizaram a avaliação em grupo, de forma colaborativa e descritiva.

Para melhor visualizar e sintetizar as 04 edições das Feiras Nacionais de Matemática, temos o Quadro 05.

Quadro 05:  Números das Feiras Nacionais de Matemática

Edição

Número de trabalhos

Professores Orientadores

Alunos Expositores

Número de Municípios

Número de Estados

Número de Visitantes

Primeira

59

55

160

32

04

3.000

Segunda

65

60

130

29

07

2.000

Terceira

156

156

312

82

13

5.000*

Quarta

147

121

242

--

13

3.000

Fontes: Anais da I, II e III Feiras Nacionais de Matemática, para a primeira, a segunda e a terceira edição, e Boletim SBEM, n. 53, jun. 2016, para a quarta edição da Feira Nacional de Matemática.

As quatro edições das Feiras Nacionais de Matemática beneficiaram professores da área de Matemática e engajaram estudantes de escolas públicas e privadas da Educação Básica e do Ensino Superior.

V Feira Nacional de Matemática

       A Educação Matemática no Estado da Bahia, através da Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional   Bahia - SBEM-BA, tem uma história de várias realizações, a exemplo dos Encontros Baianos de Educação Matemática e dos Fóruns Baianos de Licenciatura em Matemática. O Núcleo de Educação Matemática – NEMAT da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, faz parte dessa história e tem dado ênfase nos últimos onze anos no desenvolvimento do Projeto das Feiras de Matemática. Foram essas ações que deram respaldo para que a UNEB juntamente com a SBEM-BA, realizassem mais uma edição das Feiras Nacionais de Matemática no Estado da Bahia.

      Trata-se de uma iniciativa que, ao organizar eventos dessa natureza no Estado numa rede de colaboração, que articula e cria espaços de comunicação e de compartilhamento de metodologias e processos de ensino e aprendizagem entre os professores e estudantes dos diversos níveis escolares que ensinam Matemática. Portanto, é uma ação que causa impacto na comunidade de professores, pois os mesmos socializam seus estudos e experiências, se motivam para aprender matemática, e conhecem trabalhos desenvolvidos por colegas e pesquisadores. Tudo isso, vem corroborar, na potencialização e melhoria das práticas pedagógicas em Matemática.

        Assim, no período de 28 a 30 de setembro de 2016 foi realizada a V FNMat nas dependências do Centro de Formação da Secretaria de Desenvolvimento Rural – SDR (antiga EBDA) na Avenida Dorival Caymmi, N°15649, Itapuã, Salvador – BA. Objetivou-se com este evento, mobilizar o maior número possível de escolas, professores e alunos na produção e compartilhamento do conhecimento e ensino de  matemática de forma científica, interativa e lúdica, com representação dos diversos Estados da Federação. Ainda, buscando garantir a qualidade técnico-científica dos trabalhos apresentados na feira, fez-se necessário a composição do Comitê Científico do referido evento, com professores colaboradores de Instituições de Ensino Superior, bem como os próprios orientadores participantes do evento, que fizeram a avaliação “in loco” dos trabalhos apresentados.

     Nessa quinta edição, foram expostos 100 trabalhos com a participação de 82 orientadores e 136 estudantes expositores, oriundos de 47 municípios de 11 Estados da Federação: Acre, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins, conforme quadro 05.

Quadro 05: Número de trabalhos apresentados na V Feira Nacional de Matemática por Estado da Federação

                    

ESTADO

N° DE CIDADES

N° DE TRABALHOS

01


03

13

02

Amapá

01

12

03

Bahia

14

19

04

Ceará

02

04

05

Espírito Santo

02

06

06

Mato Grosso do Sul

01

01

07

Minas Gerais

03

07

08

Rio de Janeiro

01

02

09

Rio Grande do Sul

01

01

10

Santa Catarina

18

24

11

Tocantins

01

11

TOTAL

11

47

100

Fonte: Núcleo de Educação Matemática – NEMAT – Universidade do Estado da Bahia - UNEB

 

      Por fim, através de um dos princípios norteadores das Feiras de Matemática, desde sua origem em 1985, o trabalho coletivo colaborativo e a participação efetiva de todos os membros da comissão permanente, nas diversas etapas de sua organização como: planejamento, preparação, inscrição de trabalhos, operacionalização da avaliação e análise pós-evento, (ZERMIANI; BREUCKMANN, 2008), pode-se realizar mais uma edição da Feira Nacional de Matemática.


VI Feira Nacional de Matemática

O Instituto Federal do Acre – IFAC, através da Pró-reitoria de Extensão – PROEX, a Universidade Federal do Acre – UFAC, o Instituto Federal Catarinense – IFC e a Fundação Regional de Blumenau – FURB, juntamente com o apoio do Governo do Estado do Acre, da Prefeitura Municipal de Rio Branco, da União Educacional do Norte – UNINORTE, da Gráfica Estrela, da Center Publicidade, da Universidade do Estado da Bahia – UNEB e da Sociedade Brasileira de Educação Matemática – SBEM, planejaram e realizaram a VI Feira Nacional de Matemática, entre os dias 23, 24 e 25 de maio de 2018, nas dependências do Centro de Convenções da Universidade Federal do Acre – UFAC, Rodovia BR 364, Km 04, s/n – Distrito Industrial, na cidade de Rio Branco – AC. 

Para a realização da VI Feira Nacional de Matemática foram muitos os caminhos trilhados. A partir da II FNMAT, ocorrida em 2013 em Brusque-SC, o Acre sempre participou com trabalhos nas feiras nacionais, aprimorando suas experiências e preparando para tornar o sonho em realidade, de ser sede de uma edição nacional. 

A VI FNMAT teve 100 trabalhos, oriundos de 11 estados da federação: Acre, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santos, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins. Os referidos trabalhos foram distribuídos nas diversas categorias: Educação Especial, Educação Infantil, Ensino Fundamental Séries Iniciais e Séries Finais, Ensino Médio e Ensino Superior. A maior delegação foi de Santa Catarina num total de 34 trabalhos, devido a sua idealização e ao seu histórico de discussão coletiva e realização de Feiras de Matemática. Em segundo lugar ficou o estado do Acre num total de 24 trabalhos, devido ser a sede e por estar expandido esse movimento no estado, bem como, incentivando e fortalecendo o movimento da rede de feiras no estado e na região norte.

              Não há como negar o elo que as feiras de matemática proporcionam aos que se envolvem neste projeto, bem como, a contribuição que traz para o ensino. A VI Feira Nacional de Matemática no Acre foi uma experiência ímpar para todos os envolvidos e serviu de motivação para que pudesse expandir o movimento dentro das instituições envolvidas e os servidores que trabalharam de forma direta e indireta no evento.




CONSIDERAÇÕES

O movimento das Feiras de Matemática, “afinado com os princípios e objetivos da Educação Matemática, valoriza o trabalho de investigação motivando o aluno e o professor a pesquisar em matemática” (OLIVEIRA & DALLMANN, 2004, p.86) e contribui para a melhoria do ensino e aprendizagem da Matemática, ao promover espaços de socialização e troca de experiências entre alunos, professores, escolas e níveis de ensino. 

As Feiras Nacionais de Matemática, hoje na sua quinta edição, a ser realizada em setembro de 2016, na cidade de Salvador, BA, representam o reflexo de uma participação colaborativa de educadores engajados e preocupados com a melhoria do ensino e da aprendizagem da Matemática em nosso país. Com o Termo de Cooperação Técnico-Científico n° 135 assinado em 2015 entre o IFC, FURB, UNEB e SBEM, esperamos que esse movimento cresça cada vez mais e que outros estados e municípios possam fazer parte, apresentando e representando o trabalho e a prática pedagógica dos professores.



Autoras: Fátima Peres Zago de Oliveira - Professora do IFC – Campus Rio do Sul – SC. fatima@ifc-riodosul.edu.br.

              Alayde Ferreira dos Santos - Professora da UNEB – Departamento de Educação Campus VII - Senhor do Bonfim - BA. alafsantos@uneb.br

REFERÊNCIAS

I Feira Nacional de Matemática. 2010. Blumenau. Anais .... ZERMIANI, V.J. & SCHUHMACHER, E. (Orgs). Blumenau: Odorizzi, 2011.

II Feira Nacional de Matemática. 2013. Brusque. Anais .... ZERMIANI, V.J. & SCHUHMACHER, E. (Orgs). 2013. <http://proxy.furb.br/soac/index.php/feirasMat/pub/schedConf/presentations>.

III Feira Nacional de Matemática. 2014. Salvador. Anais .... SANTOS, A .F. et al. (orgs). Salvador, 2014. CDroom.

Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Boletim SBEM. N. 41, out.2014. 29 p. <http://www.sbembrasil.org.br/files/Boletim41.pdf>. Acesso em 05/07/2016.

Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Boletim SBEM: Especial “Feiras de Matemática”. N. 53, jun.2016. 38 p.<http://www.sbembrasil.org.br/files/Boletim53.pdf>. Acesso em 05/07/2016.

MULLER, I. et al. A Relevância Educacional e Social da IV Feira Nacional de Matemática. Boletim SBEM. N. 53, jun.2016. p. 35-38. <http://www.sbembrasil.org.br/files/Boletim53.pdf>. Acesso em 05/07/2016.

SANTOS, A.F. III Feira Nacional de Matemática: espaço de divulgação do conhecimento matemático. Boletim SBEM. N. 41, out.2014. p. 3-5. <http://www.sbembrasil.org.br/files/Boletim41.pdf>. Acesso em 05/07/2016.

OLIVEIRA, Fátima Peres Zago & DALLMANN, Maria Cristina Sborz. O processo de orientação de trabalhos para as Feiras de Matemática. In: Feiras de Matemática: Um Programa Científico & Social. Blumenau: Acadêmica, 2004, p. 85-103.

SANTOS, A.F. Apresentação. In: III Feira Nacional de Matemática. 2014. Salvador. Anais .... SANTOS, A .F. et al. (Orgs.). Salvador, 2014. CDroom.

ZERMIANI, V.J. & SCHUHMACHER, E . Apresentação. In: I Feira Nacional de Matemática. 2010. Blumenau. Anais .... ZERMIANI, V.J. & SCHUHMACHER, E. (Orgs.). Blumenau: Odorizzi, 2011.

ZERMIANI, V.J. & SCHUHMACHER, E . Apresentação. In: II Feira Nacional de Matemática. 2013. Brusque. Anais .... ZERMIANI, V.J. & SCHUHMACHER, E. (Orgs.). 2013. <http://proxy.furb.br/soac/index.php/feirasMat/pub/schedConf/presentations>.

ZERMIANI, Vilmar José, (Org.). Feiras de Matemática: Um Programa Científico & Social. Blumenau: Acadêmica, 2004.